segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Campeonato Brasileiro

Primeiro, parabéns ao Flamengo. Eu não gosto do Flamengo. Eu gosto mais do Bahia do que do Flamengo, olha que contradição... Mas eu não posso deixar de tirar o mérito desse time - apesar de achar que o Internacional devia ganhar - que no segundo turno, teve uma virada espetacular, semelhante à do Fluminense. Que eu também não queria que permanecesse na série A. Mas a vida é assim mesmo.
Quanto ao Vitória.
Eu realmente não sei. Fez uma boa campanha, mas como sempre, vacilou um pouco no segundo turno. Eu esperava um pouco mais do time. Mas espero que Ricardo Silva consiga dar um jeito e que entremos com tudo no ano que vem, para ir ao G4, sem sair mais de lá.
Campeonato Baiano, aposto minhas fichas no Vitória, apesar de ser suspeita pra falar (rs)... O time do Bahia ainda não está bem estruturado como os seus torcedores acham apenas por terem escapado do rebaixamento. Quem sabe quando eles finalmente brigarem para ir à série A, o campeonato possa ser mais competitivo... Enquanto isso, sem delongas, o Vitória vem como favorito para disputar isso.
E que venha campeonato baiano, brasileiro, sulamericana...

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Promoção..

Então... A autora aqui está pedindo encarecidamente a ajuda de vocês. Entrem, se cadastrem, escolham seus livros e ajudem essa persona no grata: http://www.skoob.com.br/promocao/codigo/62439

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Plié da sociedade

Oi pessoal!
Bom, para começar, preciso explicar o sentido do meu título. Eu faço balé, e o plié é um movimento em que crescemos o corpo totalmente e flexionamos os joelhos. Mas o que isso tem a ver? Iremos chegar lá.
O tema abordade hoje será a alusão à sociedade para com a AIDS. Eu estava na rua e vi um pequeno outdoor, daqueles de chão, que me deixou intrigada. Nele tinha escrito "Ele tem AIDS, ela sabe" ou algo parecido e um casal beijando-se. O porquê do "plié", é que a sociedade se "prepara" totalmente para a AIDS, mas logo depois digamos que "desce" e se mostra hipócrita e preconceituosa.
Atualmente, a AIDS(Acquired Immunodeficiency Syndrome, em bom português, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) é uma doença que não tem cura. Os pacientes tomam uma série de medicamentos afim de amenizá-la e torná-la menos desagradável. Mas uma das coisas que realmente faz diferença para mim é a maneira de como a sociedade vai aceitá-la.
Muitas campanhas falam da introdução do aidético, mas não mostram claramente que pode existir contato sim, pode existir romance, envolvimento. E é isso que faz com que eles se sintam normais. Não que eles não sejam. Mas isso os faz encararem de uma forma muito melhor a doença. Eu fiz uma pequena crônica falando de uma jovem aidética. Hope you enjoy!
"20 de setembro de 2007
Positivo, aquela palavra me fez tremer. Já era a décima vez naquele dia que eu lia a maldita carta que parecia queimar na minha mão para pedir atenção. Lágrimas quentes e finas escorreram pelas minhas bochechas ruborizadas do frequente choro. O que eu iria dizer a minha mãe? Vergonha. Ela ia me repreender, capaz até de esquecer que eu existo. Calma Maria, não pense nisso ainda. Ok, não tinha mais jeito de eu voltar no tempo. A merda já estava feita. Tudo isso por um dia de diversão... Onde eu estava com a cabeça? Me encolhi em posição fetal no colchão. Daqui a alguns anos eu poderia não ser capaz de fazer isso. Era impossível descrever a sensação que tomava conta do meu corpo. Confusão. Uma dor pulsante no peito fazia com que eu não me esquecesse do momento pelo que eu estava passando. Peguei o telefone na cabeçeira ao lado e liguei para a Jéssica. Chama e ninguém atende. Ótimo. Eu ia ter que aguentar isso sozinha, ser forte, seja forte Maria... Mas eu não era. Eu era como uma presa jogada no meio dos lobos, sem reação e sem ter como fugir. Eu não sabia o que fazer e, sinceramente, era a primeira vez que isso acontecia na minha vida. Fui até a cozinha certa da minha decisão. Eu tinha que por um ponto final nisso. Eu não ia sofrer, meus amigos não iam sofrer, ninguém ia sofrer. Abri a gaveta dos talheres e após alguns soluços estava com a faca no meu pulso. Parafraseando uma autora famosa entre os jovens "eu nunca pensei em como iria morrer, mas morrer no lugar de alguém que amo parece ser uma boa forma". Ou algo parecido. O frio da lâmina cortando a minha carne arrepiou a minha pele. Pensei em deixar um bilhete para minha mãe. Seria digno? Não. Nem morrer como uma covarde. Corri para o banheiro e cobri a ferida que ardia com alguns tufos de algodão. Eu optei por lutar. Era a única maneira de erguer a cabeça e enfrentar as adversidades. Me encarei no espelho e num pequeno devaneio, gritei: "Eu sou forte!". Ri do meu momento de loucura. Já é um bom começo."

See ya,
Yara.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Apresentação

Hi, aqui quem vos escreve, é a Yara, sou de Salvador, tenho 14 anos e minha intenção com esse blog, é meio que "desabafar", algumas coisas. Coisas que eu quero falar, mas as vezes ficam presas e as vezes algumas coisas que saem da minha cabeça e que eu sinto eu grande vontade de escrever.
Eu tô meio que na época de prova agora, então não garanto todos os dias postagens. Mas vou entrar aqui ao máximo, já que não sou muito fã de estudar.
Sou uma leitora assídua, tudo que você me der para ler, eu leio, mas não garanto gostar deles. Adoro música, demais, demais. Gosto de tudo que tenha uma letra de verdade (quando eu digo de verdade, eu não me refiro à letras com palavras obcenas e de baixo calão). Escuto pop, música internacional, rock sem screams e wtf que você me mandar, escuto também.
Adoro fazer amizades, amo meus poucos e bons amigos, e me doo totalmente a eles.
Gosto de política e de conversar com gente desse meio. Sou louca pra começar a votar e escolher pessoas para representarem a mim.
Minha meta atualmente nessas férias que logo virão, é ajudar uma casa de crianças carentes, mas não apenas fazer doações, mas ler histórias e interagir com elas.
Torço pro Esporte Clube Vitória, graças à Deus e vou à todos os jogos. Gosto de conversar sobre futebol também. Na verdade, eu realmente gosto de falar, e eu volto à proposta do primeiro parágrafo, escrever sobre assuntos que gosto.
Bom, vou parar por aqui, se não vai ficar cansativo e eu vou começar a falar besteiras.
Ah, eu ia esquecer. Probo Miseret Clango, é uma frase em latim (eu já disse que amo latim?) que significa "Deixe-me Gritar", ou algo desse tipo. Atualmente, é muito difícil encontrar sites que traduzam nessa língua. O único bom que eu achei, eu tive que ralhar com meu pobre inglês para traduzir as palavras, de latim para inglês, que eu site oferecia, e de inglês para português que eu tive que fazer a tradução. E "Stella Viae Meae" também é em latim. Esse nome me veio, quando eu li uma fic com o mesmo título, e fiquei curiosa a saber o que era isso. Significa "Minha Estrela Guia".
Agora acabou, realmente.
See ya, Yara.